Mon. Jun 17th, 2024

Tim Berners-Lee, criador da Internet global,

No verão de 2019, a Vox reportou sobre a impossibilidade de acesso aos sites dos candidatos à presidência de 2020. Em particular, muitos americanos com visão fraca ou cegueira foram completamente incapazes de visualizar partes do site de um candidato. Como observou Alice Wong do Projeto de Visibilidade de Deficiência, “As declarações vazias, menções ou posicionamentos políticos em relação a questões de deficiência por parte dos candidatos parecem vazias quando potenciais eleitores com deficiência sequer conseguem acessar seus sites”.

Pessoas que buscam cargos públicos não são as únicas que enfrentam desafios relacionados à acessibilidade da tecnologia. Houve um aumento significativo de quase 300% nos casos de discriminação relacionados à acessibilidade entre 2017 e 2018, sendo que a maioria das reclamações aponta que os sites foram desenvolvidos sem suporte para tecnologias assistivas. Em resumo, negligenciar problemas de acessibilidade significa ignorar potenciais clientes ou até mesmo funcionários.

Para atender aos requisitos de acessibilidade, as marcas devem considerar a empatia e buscar ativamente um público mais diversificado para envolver na conversa. Quando as marcas experimentam seus serviços do ponto de vista do público-alvo com deficiência, elas podem identificar oportunidades de melhoria. É igualmente importante promover uma cultura de inclusão que valorize a acessibilidade; somente quando todos na equipe estiverem comprometidos, começarão a ver mudanças em produtos e serviços que realmente atendam a todos.

Quando as empresas dão prioridade à acessibilidade da tecnologia e adotam práticas de design inclusivas na web, elas estão mais bem preparadas para atingir um público maior e aproveitar ainda mais recursos e oportunidades do que antes.

A capacidade de ser acessível é um benefício que dá vantagem competitiva…

No cerne, a acessibilidade trata de assegurar que as coisas sejam simples de ser acessadas, compreendidas e utilizadas. Por exemplo, nos supermercados, a maioria dos clientes tem diversas opções para escolher. Contudo, para pessoas com deficiência visual, a decisão de onde comprar é principalmente baseada na acessibilidade dos varejistas.

Leia Mais:   A última atualização do Google BARD aprimora a maneira como os vídeos do YouTube são entendidos.

Albertsons Co. é um varejista comprometido com as necessidades dos compradores que têm dificuldades de visão. A empresa colaborou com clientes não videntes e seguiu as Diretrizes de Acessibilidade para Conteúdo da Web (WCAG) para garantir que seu conteúdo online fosse acessível e utilizável para pessoas com deficiência visual.

A decisão da Albertsons de dar prioridade à acessibilidade é uma conquista significativa. Isso é especialmente benéfico para os clientes que enfrentam dificuldades para chegar a uma loja física devido a restrições como falta de transporte, necessidade de distanciamento social ou deficiências. Ter acesso ao supermercado online é uma grande vantagem e um passo importante para garantir igualdade de oportunidades para todos os clientes. Além disso, a Albertsons se posicionou como uma opção viável para atender a uma base de consumidores com uma renda disponível de quase US $ 500 milhões.

Acredita-se que, apenas nos Estados Unidos, cerca de 61 milhões de adultos têm deficiência, o que equivale a 26% da população adulta. Estudos adicionais indicam que as empresas que promovem a inclusão de pessoas com deficiência têm quatro vezes mais chances de ter retornos de acionistas melhores do que suas concorrentes. Em resumo, dar prioridade à acessibilidade vai além de mostrar compromisso com diversidade, equidade e inclusão – também faz sentido do ponto de vista dos negócios.

… Mas alcança o sucesso verdadeiro somente quando todos estão envolvidos.

Conforme os líderes empresariais percebem cada vez mais a importância de priorizar a acessibilidade, é fundamental também assegurar que as pessoas dentro da organização compreendam que as práticas de acessibilidade são benéficas para todos, independentemente de sua capacidade. Aumentar a acessibilidade digital para todos não ocorre isoladamente. Requer a colaboração e o apoio de diversos departamentos, equipes e indivíduos em toda a empresa.

Leia Mais:   Perguntas principais respondidas pelo sistema AdsLiaison: Ativos tratados automaticamente (ACA).

Então, como você consegue persuadir os líderes de departamento e os indivíduos interessados a investir tempo e recursos na revisão da infraestrutura atual para se adequar à Lei de Deficiências Americanas?

Inicie com a educação. Aumente a conscientização sobre os diferentes tipos de deficiência que as pessoas podem ter, especialmente aquelas que não são imediatamente visíveis. Peça feedback aos seus clientes e potenciais clientes, por exemplo, para entender melhor quais fatores dificultam o acesso aos seus serviços e onde o seu site precisa de melhorias. Na maioria dos casos, as empresas não estão intencionalmente excluindo pessoas com deficiência. Elas simplesmente não percebem a extensão das populações com deficiência ou os benefícios e riscos tanto para os negócios quanto para os usuários afetados.

Para inspirar a ação desde o começo, é importante que os líderes demonstrem seu compromisso com a acessibilidade em todas as suas atividades. Um exemplo disso é a Microsoft, que tem dado grande importância à acessibilidade desde a contratação de Jenny Lay-Flurrie como principal oficial de acessibilidade. Desde que Lay-Flurrie assumiu o cargo, a empresa lançou novos recursos, como um Verificador de Acessibilidade no Powerpoint e um aplicativo chamado Soundscape, que auxilia pessoas com deficiência visual a se locomoverem em seu ambiente.

Por fim, é importante desenvolver o hábito de questionar para quem seus produtos e serviços são destinados e se eles realmente podem ser utilizados por eles. Na Sprout Social, um dos nossos princípios fundamentais no design é a frase “acessibilidade é para todos”. Em cada projeto de design, nos certificamos de identificar quais contextos não estamos considerando e como podemos tornar nossas aplicações mais acessíveis para todos.

Uma perspectiva futura com maior inclusão.

Com a crescente importância da acessibilidade, é importante abordar as consequências legais enfrentadas pelas empresas que não cumprem com precisão os padrões estabelecidos nas diretrizes de acessibilidade de conteúdo da Web (WCAG).

Leia Mais:   O que significa uma missão de marca e como pode ser descrita?

Cada vez mais, as empresas estão se preocupando com os processos relacionados aos seus sites, os quais podem resultar em valores significativos, variando de US$ 10.000 a mais de US$ 90.000. Além dos custos financeiros, as empresas também devem levar em consideração o impacto negativo que uma ação judicial pode ter em sua reputação. Portanto, há diversos incentivos legais e financeiros para que as empresas que ainda não investiram em acessibilidade comecem a fazê-lo o quanto antes.

É crucial ter em mente que a fundação de todos esses esforços é eliminar obstáculos para indivíduos reais, permitindo que eles alcancem todo o seu potencial por meio de produtos e serviços. Dar prioridade à acessibilidade vai além de simplesmente cumprir um requisito; envolve aceitar e promover a diversidade por meio da inclusão.

Quando as empresas optam por se adaptar à acessibilidade e buscam estar em conformidade, elas têm a oportunidade de conquistar mais clientes, demonstrar seus valores e promover o crescimento pessoal e profissional de sua equipe. Ao refletir sobre a sua própria organização e a sua base de clientes, é válido questionar: Quem mais podemos envolver?