Wed. May 29th, 2024

O CEO da Google, Sundar Pichai, abordou recentemente a evolução da pesquisa, destacando a relevância dos websites e dos motores de busca (uma boa notícia para SEO), enquanto também mencionou o potencial dos chatbots de inteligência artificial, como o Gemini. Embora possa parecer contraditório, uma vez que a IA supostamente tornaria os motores de busca obsoletos, existe a possibilidade de que ambos coexistam e evoluam juntos no futuro.

Comparação entre Pesquisa, Chatbots e Pesquisa Generativa.

A pesquisa em Inteligência Artificial é amplamente debatida, porém frequentemente falta consenso sobre o seu escopo e objetivos. Essa falta de clareza é relevante, uma vez que existem diferentes perspectivas sobre o tema em questão.

  • Mecanismos de pesquisa (busca convencional impulsionada por inteligência artificial nos bastidores)
  • Reformulação do texto: Assistentes virtuais (Gemini e ChatGPT)
  • Pesquisa generativa refere-se a chatbots que são integrados a um mecanismo de busca convencional, como Perplexity.ai e Bing.

A abordagem convencional para encontrar frases está desatualizada.

Ainda estamos usando os termos busca tradicional e busca orgânica como se fossem sinônimos, como temos feito durante as últimas duas décadas. Porém, é importante reconhecer que a busca tradicional já não existe mais. Com os avanços da inteligência artificial, é hora de abandonarmos a ideia da busca tradicional e reconhecermos que estamos lidando com a Pesquisa Alimentada.

Pesquisa impulsionada por inteligência artificial.

Sundar Pichai destacou que o Google tem implementado inteligência artificial há bastante tempo, o que pode ser comprovado por meio de sistemas como RankBrain, SpamBrain e Helpful Content System (HCU), os quais utilizam AI para identificar informações falsas em pesquisas locais, entre outras funções. A inteligência artificial está presente em praticamente todos os aspectos da pesquisa do Google, desde os bastidores até o processo de classificação e, por fim, nos resultados apresentados aos usuários.

O relatório de 2021 do Google sobre o SpamBrain destaca a utilização da inteligência artificial no processo de rastreamento e indexação.

Primeiramente, existem sistemas capazes de identificar mensagens indesejadas ao examinar páginas ou outros tipos de conteúdo. Algumas mensagens consideradas como spam não são incluídas no índice.

Esses sistemas são eficazes para conteúdo que é encontrado por meio de sitemaps e Search Console. Detectamos casos de spammers invadindo sites vulneráveis, se passando pelos proprietários, verificando-os no Search Console e pedindo ao Google para indexar as várias páginas de spam que criaram. Com o uso de inteligência artificial, conseguimos detectar verificações suspeitas e impedir que URLs de spam sejam incluídas em nosso índice dessa maneira.

Leia Mais:   Pesquisadores ampliam o GPT-4 através de uma nova abordagem de estímulo.

A mais recente atualização do algoritmo em março de 2024, segundo o Google, é considerada complexa e ainda está em andamento em abril de 2024. Parece que o Google pode ter mudado para uma infraestrutura mais compatível com a inteligência artificial, para possibilitar a integração de sinais de IA anteriormente ligados ao HCU e ao Sistema de Comentários diretamente no algoritmo principal.

Os profissionais de SEO estão preocupados com a possibilidade de que “A pesquisa AI” venha a responder perguntas, apesar de o Google já realizar esse tipo de função por meio de snippets em destaque e resultados de pesquisa do gráfico de conhecimento, sendo ele mesmo um mecanismo de busca baseado em inteligência artificial.

Sejamos honestos: a Pesquisa convencional não está mais presente. O Google é mais precisamente considerado um mecanismo de busca impulsionado por inteligência artificial. Isso é crucial entender, pois está diretamente ligado à visão de Sundar Pichai sobre como a busca vai evoluir nos próximos dez anos.

Confira também: CEO da Google fala sobre como será a pesquisa nos próximos 10 anos.

Busca híbrida combinada también conocida como búsqueda generativa.

Atualmente, o termo “AI Search” usado pelas pessoas é inadequado. A denominação mais precisa é “Generative Search”. O Bing e a Perplexidade.ai são chatbots gerativos de IA incorporados em um índice de pesquisa, com um elemento intermediário que coordena entre os dois, conhecido como Geração Auxiliada por Recuperação (RAG), uma tecnologia desenvolvida em 2020 pelos pesquisadores de IA do Facebook.

Reformular: Sistemas de conversação automatizada

Os chatbots, como ChatGPT e Gemini, são diversos tipos de ferramentas. Não é preciso colaborar, correto? Então, vamos continuar avançando.

Comparação entre Pesquisa, Busca Generativa e Chatbots: Qual é o Vencedor?

A pesquisa generativa combina um chatbot e um motor de busca em uma interface um tanto confusa. Embora tente auxiliar em tarefas escolares e fornecer informações como o número de telefone de restaurantes locais, não se destaca em nenhuma dessas funções. A melhoria da busca generativa levanta a questão: alguém realmente deseja um motor de busca capaz de também redigir um ensaio? É provável que esses recursos combinados de forma desajeitada se tornem obsoletos e acabem se assemelhando ao Google.

Leia Mais:   O serviço de armazenamento temporário do Google, conhecido como Site Cache, permanece acessível no momento.

Reformular: Sistemas de conversação automatizada e ferramentas de busca online.

Isso nos faz refletir sobre um futuro quase distópico de chatbots e mecanismos de busca. Sam Altman enfatizou que um chatbot de AI que exibe anúncios é considerado algo negativo.

O Google está adotando tanto a abordagem de implementar o chatbot Gemini AI no Android como um assistente de IA que pode realizar chamadas telefônicas, ligar para restaurantes locais e fornecer recomendações sobre a melhor pizza da cidade. O CEO Sundar Pichai afirmou que a internet é um recurso valioso que eles desejam continuar utilizando.

Porém, se o chatbot não exibir propagandas, isso irá impactar consideravelmente a receita de publicidade do Google. Ainda assim, os profissionais de SEO acreditam que o SEO está em declínio, pois os mecanismos de busca serão substituídos pela inteligência artificial.

É viável que o Google obtenha lucro considerável com serviços em nuvem e produtos SaaS no futuro, o que poderia permitir que diminuísse a dependência da receita proveniente de anúncios baseados em pesquisa caso haja uma migração em massa para chatbots com inteligência artificial.

A consulta deve ser divulgada.

Se existe lucro na publicidade de pesquisa, por que se dar ao trabalho de explorar a internet, criar a tecnologia e não lucrar com isso? Quem está perdendo oportunidades de ganhar dinheiro? Certamente não é o Google.

Existe um algoritmo de pesquisa conhecido como Query Deserves Freshness. Esse algoritmo decide se uma pesquisa é atual ou tem relevância jornalística e selecionará uma página na internet relacionada ao tópico que foi publicada recentemente, ou seja, fresca.

Da mesma maneira, acredito que, em algum momento, os chatbots serão capazes de distinguir quando uma busca merece anúncios e alternar para um resultado de pesquisa.

O CEO da Google, Pichai, desmente a ideia de que os mecanismos de busca estão em declínio e prestes a desaparecer, afirmando que o futuro da pesquisa continuará a incluir sites devido à diversidade de opiniões presentes na web. Nesse sentido, qual é a direção para a qual isso está caminhando?

Leia Mais:   Apresenta programas de mestrado em Direito online que fornecem informações atualizadas em tempo real.

O Google Search agora fornece respostas para consultas informativas, como conversões de tempo e moeda, sem exibir anúncios nessas pesquisas, garantindo que o Google não perca ao fornecer informações por meio de um chatbot.

No entanto, para consultas de pesquisa relacionadas a compras e outras transações, a opção mais adequada é o Query Deserves Advertising.

Se um usuário fizer uma pergunta de pesquisa sobre compras, em determinado momento o chatbot, atuando como um assistente, optará por exibir anúncios relevantes e passará a mostrar resultados do motor de busca que inclui publicidade.

Isso pode ser a razão pela qual o CEO da Google visualiza um cenário futuro em que a inteligência artificial e a web convivem, em vez de uma substituir a outra. Portanto, o conceito de “Query Deserves Publicidade” pode ser visto como uma estratégia dos motores de busca para manter seu negócio publicitário lucrativo na era da inteligência artificial.

Confira: Qual é o motivo de o Google SGE permanecer no Google Labs e o que vem a seguir

Pesquisar Reservas Consulta

Uma ampliação desse conceito envolve considerar consultas de pesquisa que incluem comparações, comentários de usuários, opiniões de especialistas, notícias, informações médicas, financeiras e outras consultas que exigem intervenção humana. Esses tipos de consultas podem eventualmente evoluir para se tornarem resultados de pesquisa, que, embora possam se diferenciar dos resultados atuais, ainda serão considerados resultados de busca.

As pessoas têm interesse em ler opiniões, notícias, fofocas e outros conteúdos gerados por seres humanos, e essa tendência persiste. As percepções e a personalidade são relevantes.

Query é digno de otimização para mecanismos de busca.

Portanto, talvez seja cedo demais para afirmar que a declaração tola de que o SEO está morto é precisa. Estamos apenas no começo e, enquanto houver oportunidades financeiras na área de busca, continuará existindo a demanda por sites, motores de busca e SEO.

A imagem principal é fornecida pela Shutterstock, creditada a Shchus.