Fri. Apr 12th, 2024

A atualização do algoritmo principal do Google em março de 2024 visa punir sites que utilizam conteúdo produzido por inteligência artificial, pois é evidente que esse tipo de conteúdo não consegue cumprir os requisitos de qualidade estabelecidos pelas diretrizes do Google. No entanto, é possível empregar a IA de maneira a gerar conteúdo de excelência.

Por que a inteligência artificial não consegue cumprir os padrões de qualidade estabelecidos pelo Google.

Diversos métodos de classificação, como as avaliações e os sistemas de conteúdo útil, possuem critérios de qualidade que tornam praticamente impossível para o conteúdo gerado por inteligência artificial atender a esses padrões.

A inclusão de um E adicional em E-A-T (para experiência) teria servido como um alerta para os criadores de conteúdo sobre os riscos envolvidos ao usar inteligência artificial.

Exemplos de elementos de uma página de resultados de mecanismo de busca, indicadores de qualidade e fatores imprevisíveis que naturalmente excluem conteúdo gerado por inteligência artificial.

A informação sobre inteligência artificial sempre esteve visível na escrita na parede.

Aqui estão algumas características destacadas nas documentações do Google como sendo essenciais para descartar conteúdo que é exclusivamente gerado por inteligência artificial.

  • Vivência
  • As revisões que são divulgadas devem ser práticas e feitas na prática.
  • Google – Assistência técnica para computadores Notícias destaca a presença de autores humanos nos resultados de pesquisa do Google News.
  • As perspectivas do Google, reveladas em maio de 2023, destacam a importância de autores humanos (conteúdo valioso) descobertos em fóruns.
  • Biografia do escritor (opiniões de especialistas)
  • Informações prévias do autor (opiniões de especialistas).
  • Informação do autor sobre a página (opiniões de especialistas).

Ideias sobre Qualidade

O Google divulgou um conjunto de perguntas de autoavaliação com o objetivo de auxiliar os editores na identificação de se seu conteúdo atende aos critérios de qualidade estabelecidos pela empresa.

Leia Mais:   O Google finalizou a atualização das revisões - Informações importantes a serem conhecidas.

Essas questões não mencionam critérios de classificação específicos, apenas abordam ideias que geralmente refletem o conteúdo apresentado por sites de alta qualidade.

Se o material produzido pela inteligência artificial não se encaixa nessas diretrizes, é provável que não atenda aos critérios de qualidade, mesmo que os editores tentem simular indicadores de qualidade externos, como páginas de autor, entre outros.

Permissão e expertise

A parte de Expertise no guia do Self-Assessment destaca os escritores de uma maneira que não pode ser imitada por material produzido por inteligência artificial.

Esta parte declara:

O texto questiona como o conteúdo pode gerar confiança por meio de elementos como fontes claras, evidências de experiência, informações sobre o autor ou o site, como por exemplo, links para páginas que apresentem mais detalhes.

A parte mencionada anteriormente foca a experiência nos seguintes três elementos:

  1. Obtenção de informações (busca por fontes, confirmação de dados, atribuição de referências)
  2. Sinais de saberes abordados
  3. Origem do escritor

Essas três características são os indícios visíveis frequentemente ligados à vivência que a inteligência artificial não consegue atingir.

Qualidade do material: Autenticidade

A seção dedicada ao conteúdo e à qualidade do guia de autoavaliação demanda autenticidade.

Observe as instruções solicitadas nesta parte da documentação do Google.

O texto questiona se o conteúdo oferece informações originais, relatórios ou pesquisas, apresentando análises perspicazes e informações interessantes que vão além do evidente.

A falta de originalidade é o principal aspecto da inteligência artificial generativa. O material produzido por essa inteligência consiste basicamente na sequência mais provável de palavras em determinado assunto.

Profissional especializado em ter informações em primeira mão.

A primeira parte das perguntas de autoavaliação indaga sobre a experiência pessoal direta.

Seu texto indica se a informação é baseada em experiência direta e conhecimento profundo, como ter utilizado um produto ou serviço, ou visitado um local?

É evidente que uma máquina não possui vivências diretas. Ela não tem a capacidade de manusear um produto ou utilizar um serviço.

Leia Mais:   Atualizações do Google sobre a documentação canônica.

Inteligência artificial ainda tem aplicação na produção de conteúdo.

Com a quantidade de sites sendo atualizados manualmente devido às mudanças no algoritmo do núcleo em março de 2024, talvez seja necessário reavaliar o papel da inteligência artificial na criação de conteúdo online.

Ainda existe uma forma de aproveitar a inteligência artificial que pode levar à produção de conteúdo de alta qualidade. O elemento crucial do conteúdo é a compreensão subjacente a ele, em vez da identidade da pessoa ou entidade que o criou.

Uma abordagem para progredir seria combinar a intuição humana e o conhecimento prático como informações que a inteligência artificial pode utilizar para produzir conteúdo.

Como produzir material de revisão utilizando inteligência artificial.

Por exemplo, é viável realizar avaliações de produtos elaborando uma lista de critérios que os consumidores necessitam para decidir sobre a compra. A pessoa responsável ainda terá que testar o produto e avaliá-lo, porém apenas precisará atribuir pontuações e comentários para cada critério na lista de verificação da revisão.

Se a análise é de uma bicicleta para crianças, é importante identificar as informações que os usuários desejam saber sobre o produto, como a faixa etária e o tamanho adequado, o peso, a durabilidade das rodas de treinamento, entre outros aspectos. Já se trata de uma avaliação de televisão, a lista de verificação deve incluir critérios como a qualidade dos tons de preto, a visualização em ângulos diferentes, a facilidade de ajuste das cores, entre outros aspectos relevantes.

No final do checklist, há uma seção chamada “conclusões finais” que destaca vantagens e desvantagens, além de expressar a opinião geral do revisor sobre o produto, indicando se ele se sente favorável, neutro ou desfavorável em relação a ele e para quem ele acha que o produto é mais adequado, como para pessoas com orçamento limitado, aqueles que buscam desempenho, entre outros. Após completar essa etapa, o documento é carregado na sua IA e é solicitado que ela redija a revisão.

Leia Mais:   Um guia rápido para 2024 sobre ferramentas de inteligência artificial escaláveis para SEO.

Como elaborar diversos tipos de conteúdo utilizando inteligência artificial.

Um amigo me deu uma sugestão sobre utilizar inteligência artificial para aprimorar conteúdo não refinado. Ele grava tudo o que precisa ser dito, sem se preocupar com a organização do texto, e depois utiliza o ChatGPT para transformá-lo em um documento mais profissional. Também pode solicitar a geração de prós e contras, assim como um resumo executivo.

IA aumenta a contribuição humana.

Minha proposta é considerar a Inteligência Artificial como um redator fantasma que pega um texto bruto e o transforma em um ensaio refinado ou artigo. Essa metodologia pode ser aplicada em diversas situações, inclusive na elaboração de descrições de produtos em larga escala.

A expertise e credibilidade que um ser humano oferece são elementos essenciais para o conteúdo, que uma Inteligência Artificial não pode replicar. Os humanos contribuem com experiência, autoridade e confiança em um determinado tópico, enquanto a IA pode utilizar esses dados fornecidos pelos humanos para criar conteúdo de excelência.

Considerando a quantidade de sites com conteúdo produzido por inteligência artificial que estão sendo editados manualmente durante a atualização do algoritmo principal em março de 2024, talvez seja necessário reavaliar a utilização da IA na criação de conteúdo.

Eu elaborei e redigi a maior parte deste artigo em setembro de 2023 e decidi adiar sua publicação porque questionei se alguém acreditaria em mim.

Atualmente, em março de 2024, com a indústria de SEO passando por mudanças devido ao uso de inteligência artificial na criação de conteúdo, há uma maior abertura das pessoas para explorar maneiras mais eficazes de incorporar a IA no processo de produção de conteúdo.

Imagem principal fornecida por Roman Samborskyi via Shutterstock.