Sun. Jul 14th, 2024

O Firefox informou recentemente que está dando aos usuários a opção de decidir se desejam ou não incluir informações de rastreamento de URLs copiadas, que são provenientes de bloqueios de rastreamento de usuários pelo iOS 17 através de URLs. A tendência de eliminar informações de rastreamento de URLs está se tornando mais popular. Isso levanta a questão de até onde isso vai chegar e se os profissionais de marketing devem se preocupar.

Será que a adoção de parâmetros de rastreamento de URL para proteger a privacidade se tornará uma prática comum em todas as áreas da indústria?

Anúncios do Firefox: reformulando a propaganda do Firefox.

Recentemente, foi divulgado pelo Firefox que, a partir da versão 120.0 do navegador, os usuários terão a opção de escolher se desejam ou não que os links copiados contenham informações de rastreamento.

Quando os usuários escolhem um link para copiar e abrem o menu contextual, o Firefox agora oferece aos usuários a opção de copiar a URL com ou sem os parâmetros de rastreamento de URL que podem ser adicionados à URL.

Imagem do Firefox 120 – Opções de menu ao clicar com o botão direito

Screenshot of Firefox functionality
Imagem:
chsyys/DepositPhotos

Segundo a notificação do Firefox 12.0:

O Firefox agora possui uma nova funcionalidade chamada “Copiar Link sem Rastreamento do Site” no menu de contexto. Isso assegura que os links copiados não incluam mais qualquer informação de rastreamento.

Tendências da privacidade no navegador

Os navegadores, como o Chrome e o Chrome do Google, estão implementando atualizações que dificultam aos sites rastrear usuários online por meio de informações de referência incluídas em uma URL, quando o usuário clica em um site e, em seguida, visita outro site por meio desse clique.

Há bastante tempo, temos observado uma crescente preferência pela privacidade, mas isso se tornou ainda mais evidente em 2020, quando o Chrome modificou a maneira como as informações de referência eram enviadas ao clicar em links para visitar outros sites. O Firefox e o Safari também adotaram um comportamento de referência semelhante.

Leia Mais:   Relatório de Pesquisa de 2023: Principais Tendências do Google e Registro para o Futuro de 25 anos.

Se a atual implementação do Firefox seria inovadora ou se o impacto é insignificante, é um pouco além do ponto.

Por que isso importa se as ações tomadas pelo Firefox e pela Apple para proteger a privacidade são uma tendência e se essa tendência se expandirá para incluir bloqueios de parâmetros de URL mais rigorosos do que aqueles recentemente implementados pelo Firefox?

Perguntei a Kenny Hyder, CEO da agência de marketing online Pixel Main, sobre sua opinião em relação ao impacto inovador do que o Firefox está fazendo e se isso é uma tendência.

Kenny deu uma resposta:

“Isso não afeta apenas o Firefox, que detém apenas 3% do mercado. Se outros navegadores populares seguirem essa tendência, pode se tornar um problema disruptivo em certa medida, mas pode ser facilmente resolvido por meio de um plano de ação dos comerciantes.”

Se ele se tornasse mais invasivo e eles bloqueassem as tags UTM, levaria algum tempo para que todos percebessem se você evitasse as tags UTM simplesmente marcando coisas em uma sequência de subdiretórios. / etc.

Além disso, a maioria dos profissionais de marketing com experiência já está incorporando soluções futuras para essas situações específicas.

É possível realizar diversas integrações por meio de pixels em vez de utilizar rastreamento por cookies ou UTM. Quando configurados corretamente, esses pixels podem oferecer um rastreamento e atribuição mais eficientes e precisos. Por isso, minha agência recebe o nome de Pixel Main.

Penso que a maioria dos especialistas em marketing está consciente de que a privacidade é uma tendência em ascensão. Aqueles que são competentes já estão adotando medidas para evitar que isso se torne um problema, ao mesmo tempo em que respeitam a privacidade do usuário.

Leia Mais:   Por qual motivo o Google sugere a utilização de uma estrutura hierárquica no site para otimização de mecanismos de busca (SEO)?

Alguns elementos da URL já estão impactados.

Aqueles que não estão atualizados sobre as mudanças nos navegadores e privacidade podem se surpreender ao saber que medidas para proteger a privacidade do usuário já estão afetando alguns parâmetros de rastreamento.

Jonathan Cairo, Engenheiro de Soluções Líder na Elevar, mencionou que há uma escassez de informações sobre rastreamento sem a presença de URLs.

No entanto, ele também enfatizou que existem restrições para a quantidade de informações que podem ser removidas das URLs, pois isso poderia causar problemas graves na funcionalidade essencial de navegação na web.

Jonathan deu uma explicação.

Até o momento, estamos observando uma tendência seletiva na qual certos parâmetros de URL, como o ‘fbclid’ usado na navegação privada do Safari, estão desaparecendo, enquanto outros, como o ‘tttclid’ usado pelo TikTok, continuam existindo.

Os parâmetros UTM devem continuar a ser utilizados, uma vez que se concentram na segmentação dos usuários, em vez de rastreá-los individualmente, desde que sejam utilizados da forma correta.

Parece improvável que todos os parâmetros de URL sejam removidos por completo, já que isso causaria problemas nas funcionalidades principais de diversos sites, como serviços bancários e recursos de pesquisa.

Uma mudança tão radical pode fazer com que os usuários optem por utilizar outros navegadores.

Em contrapartida, se alguns parâmetros forem removidos, é possível que profissionais de marketing utilizem os parâmetros restantes para rastrear informações.

Isso coloca em discussão se as empresas, como a Apple, vão tomar medidas para evitar esse tipo de utilização.

Mesmo que todos os parâmetros sejam perdidos, ainda é possível encontrar outras formas de transmitir IDs de cliques e informações UTM para sites.

Leia Mais:   Novos domínios com final .ING TLD do Google estão agora disponíveis.

Brad Redding, o criador e CEO da Elevar, concordou com a ideia de que a remoção de informações de rastreamento de URL pode ter um impacto disruptivo.

Existem várias funcionalidades básicas da internet que ainda dependem de parâmetros de consulta, como login, redefinições de senha, entre outros. Esses parâmetros são, na verdade, os mesmos presentes na URL completa.

Portanto, acreditamos que a restrição à privacidade continuará nos rastreadores populares, limitando sua capacidade de rastrear, bloqueando os cookies gerados por eles e sua habilidade de monitorar a atividade do usuário por meio do navegador.

Conforme isso se expande, torna-se crucial que as marcas tenham confiança para possuir seus próprios dados de primeira mão e reduzir as preferências de consentimento para um nível de usuário (sessão de V’s), a fim de suprir as lacunas nos dados de conversão para seus parceiros de publicidade fora do navegador ou dispositivo.

O que os comerciantes devem aguardar em relação ao rastreamento e privacidade no futuro.

Elevar destaca a importância dos navegadores em relação ao seu poder de bloqueio. Sua sugestão é que as marcas devem possuir seus próprios dados e adotar outras estratégias para realizar análises sem prejudicar a privacidade do usuário.

Com base nas leis de privacidade e rastreamento de internet que foram implementadas em diversos países, é evidente que a proteção da privacidade continuará sendo uma prioridade.

Contudo, neste momento, a sugestão é provavelmente manter a observação do progresso dos navegadores, mas não se espera que a situação saia do controle.

Leia: O Google iniciará a remoção de cookies de terceiros no Chrome para 1% dos usuários até 2024.

A imagem principal é fornecida pela Shutterstock, especificamente por Asier Romero.