Fri. Apr 12th, 2024

Sam Altman da OpenAI respondeu a perguntas sobre desafiar o domínio de busca do Google, indicando sua preferência por transformar completamente a forma como as pessoas acessam informações, em vez de imitar as práticas do Google nas últimas duas décadas. Essas declarações foram feitas durante uma entrevista em podcast conduzida por Lex Fridman.

Altman sugeriu que a forma mais eficaz de competir com o Google é substituir integralmente sua área de atuação, abrangendo inclusive a publicidade.

¿Está OpenAI creando un desafío para la búsqueda de Google?

A conversa teve início quando Fridman questionou se é verídico que a OpenAI irá enfrentar o Google.

Lex Fridman fez uma pergunta.

Desta maneira, a OpenAI está prestes a assumir o que o Google iniciou há duas décadas, que é o modo como adquirimos…

Sam Altman afirmou que a ideia de criar um mecanismo de busca aprimorado restringe as possibilidades do desenvolvimento futuro da recuperação de informações, criticando a abordagem atual da busca como monótona.

Altman deu uma resposta.

“Considero isso aborrecido. Se a questão é sobre criar um motor de busca superior ao do Google ou de qualquer outro, então sim, devemos seguir em frente, as pessoas devem utilizar o produto superior, mas acredito que isso seria tão limitado quanto possível. O Google apresenta 10 links azuis, 13 anúncios e, em seguida, mais 10 links azuis, e essa é uma forma de procurar informações.”

O que me entusiasma não é a possibilidade de replicar a pesquisa do Google de forma mais eficaz, mas sim a ideia de encontrar uma maneira muito melhor de auxiliar as pessoas a localizar, processar e aplicar informações. Acredito que o ChatGPT possa cumprir esse propósito em certos contextos e espero que possa fazê-lo em muitos outros.

O mundo não necessita de mais um Google.

Altman ampliou sua argumentação ao afirmar que não é viável a proposta de criar um novo Google para competir com o Google. Em vez disso, ele defendeu que a abordagem mais promissora consiste em transformar não só a maneira como as pessoas acessam informações, mas sim adaptá-las à forma como as pessoas estão utilizando essas informações.

Leia Mais:   Formas de elevar o número de conversões nas redes sociais.

Altman prosseguiu:

Eu não considero interessante sugerir que devemos nos esforçar mais para fornecer 10 páginas de resultados classificados na internet do que o Google.

Possivelmente seria benéfico abordar a questão da seguinte forma: “De que maneira posso auxiliá-lo a encontrar a resposta ou a informação que procura? Como posso ajudar a elaborar, resumir ou indicar a solução em diferentes situações?”

Muitas pessoas tentaram criar um mecanismo de busca superior ao do Google, enfrentando desafios técnicos, de marketing e de integração no mercado. O autor acredita que não há necessidade de mais uma imitação do Google.

3. AI Search Remains Unsolved

A situação em que a conversa ficou complicada foi quando Fridman sugeriu a ideia de combinar um chatbot com um mecanismo de busca, algo que já é considerado desatualizado e entediante. Bing desenvolveu esse recurso com base na experiência de pesquisa de mais de um ano atrás, e atualmente existem pelo menos seis motores de busca com inteligência artificial que possuem um chatbot integrado em um mecanismo de busca convencional.

A intervenção de Fridman na conversa esfriou o entusiasmo de Altman.

Altman mencionou que ainda não havia sido decifrado o código, indicando que imitar o feito de Bing não era o que ele tinha em mente. Ele descreveu isso como um “exemplo de algo interessante”.

Fridman e Altman prosseguiram:

“Conectando um cliente de chat, como o ChatGPT, a um mecanismo de pesquisa…”

Como você pode imaginar, estamos interessados em fazer isso de forma eficaz. Isso seria um exemplo de algo legal.

Não acredito que alguém tenha decifrado completamente a interseção entre LLMs e pesquisa. Gostaria de ter a oportunidade de explorar essa área, acho que seria interessante.

Anúncios suportados por pesquisa de IA são considerados distópicos.

Altman usou o termo “distópica” para descrever um cenário onde a investigação em IA era guiada por um modelo de publicidade. Distópico refere-se a uma realidade desumana, sem justiça e marcada pela desconfiança.

Ele notou que o ChatGPT, por ser um modelo de assinatura, pode ser considerado mais confiável do que um mecanismo de busca que depende de publicidade. Ele propôs a ideia de uma inteligência artificial que sugere aos usuários experimentar um produto em particular e questionar se a recomendação foi influenciada por publicidade ou se realmente atendeu às necessidades do usuário.

Leia Mais:   O ChatGPT está comemorando seu primeiro aniversário, após conquistar progressos significativos em IA.

Isso é compreensível, pois a inteligência artificial envolve um nível significativo de confiança que não é presente na pesquisa convencional. Muitos usuários têm desconfiança em relação às pesquisas feitas no Google, por serem vistas como influenciadas por publicidade e spam de SEO, seja essa percepção correta ou não.

Fridman direcionou a discussão para o tema da propaganda.

Você já considerou a possibilidade de obter lucro com o lado dos anúncios?

Eu desprezo propagandas por razões estéticas. Acredito que, inicialmente, a publicidade era necessária na internet por diversos motivos, mas considero que se trata de uma indústria passageira. Atualmente, o mundo é mais sofisticado.

Eu aprecio quando as pessoas pagam pelo ChatGPT e têm a certeza de que as respostas que recebem não são influenciadas por anunciantes.

Estou convencido de que existe uma forma de publicidade adequada para os LLMs e de que é possível participar de transações de forma imparcial e ética. No entanto, também é fácil imaginar cenários distópicos onde um assistente de IA sugere produtos ou destinos de viagem de maneira invasiva.

Uma pesquisa na qual o consumidor não é utilizado como produto.

Altman expressou sua desaprovação em relação ao fato de os consumidores serem tratados como mercadorias ao utilizarem mídias sociais ou mecanismos de busca. Ele destacou que as interações dos usuários são comercializadas para anunciantes, que as utilizam para direcionar campanhas publicitárias de acordo com os interesses dos usuários.

Altman prosseguiu:

“Não sei, o nosso modelo de negócio é bastante simples, o que aprecio. Tenho consciência de que não sou o produto, estou ciente de que estou pagando e assim é como o modelo de negócio opera.”

Quando utilizo o Twitter, Facebook, Google ou qualquer outro serviço popular suportado por anúncios, não gosto disso. Acredito que essa experiência não melhora, mas sim piora, em um mundo com inteligência artificial.

Leia Mais:   Mullenweg confirma que o Tumblr teve um fracasso, mas não será encerrado.

Altman é alvo de maldições em relação à publicidade.

Sam Altman mencionou que não era a favor da publicidade e demonstrou acreditar que é viável desenvolver um sistema de recuperação de informações baseado em AI sem depender de servir anúncios. Ele expressou essa opinião em resposta a uma pergunta sobre a possibilidade de implementar anúncios de forma total, algo que Altman não confirmou.

Lex Fridman sugere que a inteligência artificial poderia ser mais eficaz ao exibir anúncios relevantes para as necessidades dos usuários, evitando um cenário distópico em que os anúncios influenciam negativamente o que é mostrado.

… Eu considero uma decisão bastante corajosa da Wikipédia optar por não veicular anúncios, o que torna o seu modelo de negócios bastante desafiador. Portanto, você está questionando se a abordagem atual da OpenAI é viável do ponto de vista comercial?

Precisamos encontrar estratégias para expandir, mas parece que conseguiremos resolver essa questão.

Se estamos falando sobre criar uma oportunidade lucrativa que cubra nossas necessidades de computação sem depender de anúncios, eu acredito que sim, isso é possível.

Texto parafraseado: Lex Fridman expressou otimismo em relação a essa situação promissora, destacando que ele não deseja inundar completamente com anúncios.

Sam Altman afirmou que não estava expressando aquilo exatamente, mas sim que tinha uma tendência contrária a isso.

O desafio que o OpenAI Building representa é para o Google?

Sam Altman não afirmou explicitamente que o OpenAI estava desenvolvendo um desafio destinado ao Google. Ele sugeriu que, até o momento, não existe um desafio adequado para o Google que faça uso de inteligência artificial, ao mencionar que ninguém conseguiu “quebrar o código” nesse sentido.

Altman apresentou uma perspectiva de uma pesquisa de IA que não transforma os usuários em mercadorias para os anunciantes, tornando-a mais confiável e benéfica. Ele sugeriu que o Google deveria enfrentar desafios diferentes dos que está acostumado a lidar.

Assista ao podcast a partir de 1 hora, 17 minutos e 27 segundos.

A imagem principal é fornecida pela Shutterstock/photosince.