Sun. Jul 14th, 2024

O Google está compensando editores menores para empregar sua tecnologia de inteligência artificial na reformulação de conteúdo veiculado em sites de notícias recomendados pela plataforma do Google, gerando críticas por possível parasitismo de conteúdo em larga escala. Usuários do Twitter estão manifestando desaprovação em relação a essa prática.

O Google está remunerando editores independentes menores para utilizarem uma plataforma de inteligência artificial que examina o conteúdo de outras notícias com o objetivo de resumir e republicar. Conforme um artigo limitado publicado no AdWeek, essa ferramenta é um beta test que requer que os editores publiquem uma quantidade específica de artigos diariamente para receber seu pagamento.

Os editores menores utilizam uma ferramenta que exibe o material determinado pela inteligência artificial, a qual pode ser escolhida para gerar conteúdo sem nenhum custo.

“Qual é o problema com a mais recente ferramenta lançada pelo Google?”

É frequente que uma empresa de comunicação reproduza as notícias divulgadas por outra empresa do ramo e, caso seja feito por um jornalista competente, acrescentem sua própria abordagem ao tema. Este é o procedimento padrão.

No entanto, a ferramenta do Google parece ser semelhante a uma forma automatizada de reescrever conteúdo, conhecida como “fiação” do artigo. A fiação do artigo é uma técnica automatizada que utiliza feeds de sites para incluir conteúdo publicado de outros sites, o qual é então reescrito por um programa de computador, geralmente substituindo palavras por sinônimos. Por sua vez, a inteligência artificial pode reescrever o conteúdo com maior sofisticação, resumindo essencialmente o material em um tom diferente, alterando frases e parágrafos inteiros para transmitir o mesmo conteúdo de forma diferente.

O texto destaca que o Google está testando uma nova ferramenta que levanta preocupações, pois o Google é central na distribuição de conteúdo online. Além disso, a ferramenta direciona a atenção para determinadas organizações de notícias, que podem ter seu conteúdo reproduzido por editores independentes.

Leia Mais:   Em 2023, espera-se um aumento significativo nos compartilhamentos do núcleo Web Vitals, o que terá um impacto significativo na Web.

Em um aspecto positivo, essa situação poderia ser benéfica ao possibilitar a criação de links de entrada para o autor original da notícia, o que representa uma vantagem em termos de visibilidade e reconhecimento.

No entanto, os editores de notícias não obtêm benefícios reais dos links para conteúdo com uma vida útil curta de até 48 horas. A produção constante de notícias é um ciclo exaustivo que mantém o negócio funcionando, mas pode ser prejudicado pela diluição do conteúdo em grande quantidade.

Essa é a questão central com a ferramenta de IA do Google: ela diminui a importância do valor agregado criado por profissionais contratados para produzir conteúdo de qualidade, algo que o Google afirma querer publicar. Isso torna a ferramenta de IA do Google contraditória e até mesmo cínica, pois incentiva a criação de conteúdo de excelência enquanto o desvaloriza.

Um grande número de editores que codificam automaticamente todos os artigos de notícias publicados pode ser prejudicial para o editor original, especialmente se a inteligência artificial dominar no Google News, nos resultados de pesquisa e se os usuários preferirem acessar seu editor de notícias local que republica as notícias dos principais editores.

Resposta: Resposta à ferramenta de inteligência artificial de notícias do Google

O escritor de tecnologia Brian Merchant, que contribui para o The Atlantic e é autor de um livro, compartilhou um tweet que recebeu muitos elogios.

Ele postou no Twitter: “Ele fez uma publicação no Twitter:”

O problema começa quando o Google está promovendo a criação de resíduos produzidos pela inteligência artificial.

Se você é um meio de comunicação que concordou em aceitar essa prática de pagamento mínimo e, principalmente, se estiver divulgando artigos gerados por inteligência artificial sem avisos, é preciso sentir uma grande vergonha.

Leia Mais:   Por qual motivo o Google sugere a utilização de uma estrutura hierárquica no site para otimização de mecanismos de busca (SEO)?

Brian continuou com sua publicação, apontando as falhas na ferramenta de inteligência artificial do Google destinada a pequenos sites de notícias.

Nos últimos 10 anos, a mídia aprendeu que não deve aceitar sem questionar os produtos tecnológicos que são lançados, pois isso pode resultar em prejuízos no futuro. Por que alguém iria querer automatizar sua área de trabalho por um salário de US$ 30 mil ao ano?

Merchant compartilhou um comentário feito pelo jornalista de tecnologia Alex Kantrow em suas redes sociais.

“Que tristeza. Será esta a internet que o Google deseja?”

Outra pessoa publicou uma mensagem no Twitter:

Trata-se exclusivamente do lucro não obtido e não realizado.

Certamente, o Google deseja corporações que trocam seus funcionários e os americanos em geral por lucro rápido.

Uma pessoa que trabalha na Microsoft mencionou a ideia de “autofagia”, que acontece quando um organismo começa a se consumir, semelhante ao processo de se auto-destruir por falta de alimento.

Ela postou no Twitter: “Postou no Twitter”.

A diminuição da qualidade do conteúdo das notícias afetará a pesquisa, pois a autofagia representa uma séria ameaça à qualidade da informação e parece não estar sendo devidamente considerada.

O que está por vir para o conteúdo.

Este desafio não se limita apenas às notícias, mas afeta a todos os que consomem conteúdo online em constante atualização. As ferramentas utilizadas para publicar notícias podem ser facilmente aplicadas para avaliações de produtos, receitas, entretenimento e praticamente qualquer assunto abordado por plataformas que disponibilizam conteúdo.

Qual é a sua opinião em relação à nova ferramenta lançada pelo Google? Ela dará suporte aos pequenos editores para competirem com sites maiores ou representa o início da autodestruição na indústria da publicação online?

Leia Mais:   A nova ferramenta da Microsoft tem como objetivo auxiliar a maximizar os lucros dos anúncios.